(In) Sana!: Um pequeno desabafo pós trauma

Um pequeno desabafo pós trauma

Quem me segue no twitter e acompanha a minha página no Facebook já deve estar sabendo que na semana passada eu tive o carro arrombado. Estacionei por 10 minutos para comprar alguma coisa para jantar e quando voltei encontrei o vidro do carro estilhaçado e constatei que haviam sido levados meu Ipad, a máquina fotográfica do meu trabalho (que eu levava para casa sempre que tinha um evento importante no dia seguinte para cobrir) e a minha mochila com toda a minha coleção de maquiagens dentro. Não me sobrou um único lápis de olho como consolo. 

Entrei em desespero, fui à delegacia registrar a ocorrência, mas confesso que não tenho nenhuma esperança em recuperar qualquer um desses itens, principalmente, a maquiagem. A essa hora, como disse um amigo com toda a sua sinceridade desconcertante, já deve ter virado algumas pedras de crack por aí. Revolta define o que eu sinto agora. 

O que mais dói é receber lição de moral das pessoas dizendo que não se deve deixar nada dentro do carro visível, como se eu fosse alguma desleixada que tivesse deixado tudo à mostra com uma placa néon brilhante piscando dentro do carro e dizendo: Me roubem! É claro que não. 

Eu não ia demorar, apenas desci para comprar alguma coisa para jantar. Meu carro é preto, todo fechado com fumê 100%, todos os itens roubados estavam em bolsas pretas enfiadas debaixo dos bancos do carro que foi estacionado em uma rua iluminada na frente de um salão de beleza e da guarita de um condomínio. Não tem como prever essas coisas. Como eu não ia demorar, apenas comprar a comida e sair, achei que colocar tudo no bagageiro do carro seria perder tempo e eu estava bastante cansada depois de um dia exaustivo de trabalho. Talvez esse tenha sido o meu erro. 

Mais aí me vem várias perguntas como: E se os ladrões estivessem escondidos em algum lugar? Guardar no bagageiro teria adiantado alguma coisa? Qual o motivo do alarme não ter disparado? Eu não percebi qualquer movimento de pessoas na rua, porque se eu tivesse notado, não teria estacionado. Bem, são apenas suposições para as quais eu nunca vou ter respostas...

Me parte o coração dizer que passarei um algum tempo sem postar makes por aqui. Por causa da gravidez, não tenho condições de iniciar uma nova coleção agora. No momento, existem outras prioridades mais urgentes a resolver do que comprar maquiagens. 

Me dói mais ainda saber que o FDP que me roubou não tem a mínima noção do valor afetivo que aquela mochila tinha para mim. Da alegria a cada novo item, da espera interminável pelos itens que comprei em sites internacionais e pelas encomendas que fiz às amigas que viajaram ao exterior. Foi o esforço dos últimos três anos jogado fora ou transformados em pedras de crack e/ou algumas carreirinhas de pó, para ser mais exata... Nesse momento devem estar colorindo os rostos de alguma das mulheres do tráfico por aí... Isso me revolta! 

Me revolta saber que a polícia é inerte, que não fazem nada, que sequer foram comigo até o local para ver se achavam alguma pista. Tive que me resignar e preencher apenas o boletim de ocorrência e escutar do policial que seria muito difícil recuperar qualquer coisa, porque tudo hoje em dia vira moeda de troca em uma boca de fumo. É lamentável constatar que eles vão continuar roubando mais carros, mais pessoas e continuarão impunes até achar uma arma e/ou overdose que lhes tire a vida.

Porque eu acho que a droga, assim como o álcool, não podem ser usados como desculpa para a prática de qualquer crime. Afinal, você faz uma escolha quando resolve experimentar a primeira vez e sabe dos riscos que corre. Eu não aceito esse discurso de que viciado é coitadinho. Eles tem uma doença sim, mas que foi provocada por sua livre e espontânea vontade. A pessoa assume os riscos quando resolve experimentar a primeira vez.   

Agradeço a Deus por não ter acontecido nada comigo e com meu filho. Por não terem levado, além das minhas coisas, também o meu carro ou a minha vida. Bens materiais a gente recupera. Vai demorar um tempo, mas eu sei que terei tudo de volta e ainda melhor!  

Esse espaço é a unica forma que eu tenho de protestar, desabafar e expor o que eu penso sobre esse episódio. Peço desculpas por não ser assim uma leitura tão interessante. 

Atenciosamente, 

Sana M. 


   










2 comentários:

Caio Jonathan disse...

Independente de deixar ou não deixar as coisas no carro (eu particularmente não deixo nada), mas é uma situação que tem se estendido a proporções enormes.
Mas Graças a Deus foram bens materiais e contigo está tudo bem.

Isso é Brasil !

abraços
Caio
http://jonathanejonathan.blogspot.com.br/

skype: caiojonathan

Marcela Porto disse...

Sana se eu te contar que nesse mesma noite, eu rodei, rodei atras de estacionamento pra comprar um sushi no mesmo local, inclusive quando vc descreveu o local que estacionou me vi na cena, passei 02 vezes e desisti de estacionar, não sei na hora achei deserto e perigoso. Mas...Teresina esta assim, meu consultório tb foi assaltado,acho que por isso ando medrosa. Então, a única coisa que posso te dizer é Graças a Deus é que vc não estava presente, ainda mais grávida. Melhoras...