(In) Sana!: seção de cartas

seção de cartas


Igor e eu toda toda num dia animadíssimo lá no Favorito.




Lendo a Marie Claire (julho/2008) eu me deparei com essa carta maravilhosa de uma leitora que foi eleita a melhor do mês:

“Algumas colocações da reportagem ‘Se você está apaixonada por mim, nunca...’ (MC 207, junho) me surpreenderam. Quem ama ou está apaixonado não deveria dizer ‘não faça isso ou aquilo’. Não devem existir barreiras ao se demonstrar o carinho e as emoções. ‘Não me ligue antes das dez da manhã, especialmente sábados e domingos’ me fez pensar que eu só sou bem-vinda quando ele quer. Se a relação for verdadeira, acredito que as intervenções a qualquer momento jamais serão incômodas. ‘Nunca dizer o tamanho exato da sua paixão’ também foi uma frase infeliz. Não é melhor dizer a verdade? Até mesmo para que o outro não se ache amado demais e depois leve um pé na bunda. Ou então se ache amado de menos e parta para outra relação, sem saber que você é louca por ele”.

Gostaram? Eu achei linda. E concordo com todas as letrinhas escritas acima. Quando realmente se gosta não existem restrições.

E olha que eu sei muito bem o que é convier com elas. ‘Não me ligue, deixa que eu telefono para você’, ‘não posso hoje’, ‘só temos meia-hora, não é suficiente para você?’, ‘não podemos ser vistos’, ‘não conte a ninguém que estamos saindo novamente juntos’, e outras tantas frases negativas faziam parte do meu mundo de alguns meses atrás. Não, eu não tinha um caso com um homem casado, mas era quase como se fosse.

E as respostas sempre ficavam para depois. Eu me calei diante da revolta não expressa. E chorei muitas vezes sozinha. E engoli a seco o orgulho ferido. E deixei rolar. Acabei enforcada na própria corda. Bem feito! Quem mandou não ser esperta!

E de tanto escuta-los e conviver com os "nãos", o entusiasmo acabou, o sentimento acabou, a ansiedade, a surpresa, a vontade, a paixão, o desejo de estar perto, de ouvir a voz e sentir o cheiro foram substituídos pelas lembranças, muitas delas frustrantes.

Hoje tudo isso parece distante, parte de um mundo deixado para trás. Como as lembranças que temos da infância, só que, no meu caso, com menos cor. É como se ele fosse um grande estranho, como se nunca tivéssemos nos deitado na mesma cama, como se nunca tivéssemos feito amor ou trocado juras. É como se as gargalhadas, as piadas, as birras, os beijos e os olhares nunca tivessem existido. A velha e boa ação do tempo tarda e não falha.

Eu tive minha parcela de culpa. Cedi, dei e me dei mais do que poderia. Mostrei até as entranhas e recebi em troca um punhado de ‘nãos’.

Talvez eu mereça perdão. Afinal eu tenho o sentimento como justificativa, mesmo que ele não tenha sido correspondido. Eu fiz a minha parte e isso me basta. Triste né? Conviver, amar, dedicar-se para depois desfrutar do vazio do fim.

E assim acaba o último ciclo de uma história que não foi feita para durar, mas acabou passando da conta.


P.S: Adoro revistas femininas. E quando eu digo que adoro, é porque eu leio até a seção se cartas! Copio frases que gosto, endereços virtuais, adoro aquelas reportagens enormes, contundentes e as dicas de viagens e livros. Já comprei vários sugeridos pelas mais variadas revistas e confesso nunca ter me arrependido. Ah! E nunca deixo de dar uma espiada nas dicas sobres coisinhas... Hum, vale a pena!

Sem contar as maquiagens, roupas, bolsas e outras coisas fúteis que fazem qualquer mulher feliz, nem que seja por alguns instantes!
Beijocas

2 comentários:

Anônimo disse...

Sana... infelizmente a gente não pode mandar no nosso coração... e infelizmente ele faz cada burrada, as vezes... bom é que a gente aprende com isso.
Pense assim: vc viveu, foi bom enquanto durou e pronto... agora que as mágoas esfriaram e que o amor o passou de fato... siga em frente! E qto a ele... o que ele fez com vc... deixa pra lá. A vida vai ensinar a ele! Beijão, Carol

Danielle disse...

Sanaaaaaaa, vc diz que "sem ouvir música sertaneja" mas, sem querer citou um trecho de uma música do Zezé: passou da conta!!! kkkkkkkkk Tu deveria ouvir, é linda e aposto que vc ia até colocar a letra no blog! heheheheheh
Menina, eu tb amo essas revistas femininas! Tem dicas pra tudo: vestido novo, inovar nas "coisinhas" [tua cara esse nome], reportagens lindas!
Tu arrasa no blog amiga!
=]
beijo, sempre: DaNi