(In) Sana!: A carta

A carta

Depois do fim, fica mais fácil enxergar muitas coisas. Não, isso não é uma crítica a ele, de jeito nenhum. Ele foi perfeito dentro das suas limitações, assim como todo ser humano pode ser. Eu derramei tantas lágrimas nesses últimos meses, às vezes de alegria, confesso, mas na maioria das vezes, por pura ansiedade, pura insegurança. Eu sou assim, um ser humano cheio de imperfeições.

Tem sido bem difícil controlar os meus impulsos nesses dias. É uma baita necessidade de ouvir aquela voz, de ver aqueles olhos. Eu sinto ele perto de mim o tempo todo, mas eu sei que é só uma impressão. Marca essa que todos nós, os que amamos de verdade, sentimos quando estamos longe do nosso amado, ou do objeto do nosso amor, como queiram (eu tô tão filosófica hoje né?).

Deixo com vocês a carta que eu fiz há meses e que nunca vou chegar a entregar. Até porque, nesse exato momento, ela não tem mais razão de ser. Já que eu ele nunca vai lê-la, compartilho com vocês, meus três ou quatro leitores solitários:

Nêgo Lindo,

Eu te amo. Não tenho dúvidas disso. Mas, às vezes, amar só não basta. A nossa história foi bonita. São muitos bons momentos para recordar, e vai ser difícil aprender a conviver só com as lembranças daqui pra frente. Mais eu tenho que ser forte. Eu tenho que manter a decisão que eu tomei por nós dois.
No começo eu achei que ia levar essa história numa boa, até porque eu tinha certeza de que não iria me apaixonar por você. Mas hoje confesso que é quase impossível resistir a esse seu sorriso. Você me trouxe de volta uma Sana que eu achei que tivesse ficado perdida nas mágoas do meu passado. Por sua causa, eu passei a me cuidar mais. Eu tinha prazer em me arrumar pra você. E era muito bom receber os elogios, mas até estes, com o tempo passaram a não existir mais. Assim como muita coisa entre a gente mudou também.
Como é que em tão pouco tempo eu pude me apegar tanto a você? Eu me pergunto isso todos os dias. E, sinceramente, não sei explicar! Assim como eu não sei explicar em que momento a gente se perdeu um do outro. Eu sabia dos riscos. Eu sabia que ia acabar assim. Eu sabia que estava apostando as minhas fichas num jogo perdido. Mas eu achei, na minha santa inocência, que valia a pena tudo isso. Eu paguei pra ver e perdi.
Tudo mudou tão rápido não foi? Talvez a gente já devesse ter parado antes. Nós bem que tentamos, mas não conseguimos. Admito que eu tive uma grande parcela de culpa nisso. É que naqueles dias eu ainda tinha a esperança de te conquistar. Eu acreditei que pudesse ter você só pra mim. Bobagem né? Você não teria coragem de "revolucionar" a sua vida só porque eu descobri que amo você! Mas eu tinha essa esperança. Tinha sim!
Eu sei que apesar de todo o amor que eu sinto, apesar de achar que ficar longe de você vai ser uma experiência dolorosa, essa história tem que ter um final. E chegou a hora. A impressão que fica em mim é a de que você já esperava por essa atitude. Eu devo estar tirando um grande peso das suas costas. Agora eu sou uma preocupação a menos, um problema a menos na sua vida.
Eu queria muito, você não sabe o quanto, ter feito você me amar. Muito mesmo! E você não pode negar que me deu muitos motivos para achar que eu seria capaz. Eu me esforcei, eu passei por cima do meu orgulho, eu me submeti as suas regras, eu agüentei muita coisa calada. Mas, hoje vejo que esse esforço foi em vão, porque eu não consegui fazer você me olhar como uma nova possibilidade.
Desejo toda felicidade do mundo pra você. Desejo que você consiga realizar todos os sonhos que me contou. Desejo que um dia eu consiga te ver apenas como um amigo. No momento eu só consigo pensar no homem que eu tive por algum tempo do meu lado. Que me fez tão feliz. Que fez eu me sentir desejada, bonita, completa. E que com esse sorriso fez eu me sentir mulher e capaz de amar novamente. Esse mérito eu não posso tirar de você.
Você pode dizer que a vida reserva muitas surpresas pra gente. Eu até concordo, ela adora mesmo pregar peças nas nossas certezas. E nós dois somos movidos pelas surpresas que aconteceram durante todos esses meses. Talvez essa seja a maior delas. Você pode ter sido um grande erro, mas foi um erro que eu gostei de errar.

Um comentário:

Danielle disse...

Ê amiga, eu acho que você fez o certo, o inevitável. E talvez tenha sido melhor que esta decisão tenha partido de você! Até porque você era a pessoa machucada na história, você [e somente você]que sabia o seu limite, até onde [e quando] poderia suportar!
Nem preciso dizer que você é uma mulher de garra, de fibra, uma mulher forte! Tantas vc já passou, não é mesmo?!?! Uma bem pior, por sinal, e vc deu a volta por cima e amou novamente. E vai acontecer de novo, claro que com o tempo necessário p/ se refazer, p/ cicatrizar o que hoje dói tanto. E sabe de uma coisa que aprendi com o tempo?!? Que também se ganha quando perde. No seu caso, você vai ganhar seu orgulho, seu amor próprio. E daqui a um tempo, nem vai doer tanto, serão apenas lembranças. Boas lembranças!
Sei que falar é fácil quando se está de fora, mas eu sei que você consegue!
Conte comigo!

Beijão